História Corpo Clínico Funcionários Eventos Você Sabia? Serviços Convênios Doenças Links São José do Rio Preto Fale Conosco


 

   Urologia Geral

   Doenças da Próstata

   Calculose Urinária

   Disfunção Erétil

   Uroginecologia

   Infertilidade

   Infecções Urinária

   Oncologia

   DST

   Uroneurologia

   Uropediatria


 

   Diálise

   Insuficiência Renal Crônica

   Transplante Renal

 
 Bexiga
 

A bexiga é um órgão oco. Constituído de um único músculo, que tem como função armazenar e eliminar a urina fabricada nos rins. É muito irrigada e principalmente muito inervada sendo sede de malformações geralmente muito graves.

Agenesia - Hipoplasia

Muito rara.

Duplicação

Muito rara. Existem cerca de 45 casos descritos na literatura.

Divertículo congênito

É uma má formação freqüentemente associada com válvula de uretra
posterior e muito rara isoladamente.

Megabexiga

Geralmente associada com refluxo maciço e megaureter. Pode existir como
patologia isolada, sem causa aparente; porém, é muito rara.

Extrofia vesical

A extrofia vesical e a epispádia fazem parte de um grupo de anomalias do
trato urinário e da parede inferior do abdome, onde não ocorre a fusão da parede abdominal e a junção da sínfise púbica, devido falta de preenchimento mesenquimal, além de existir ausência parcial ou total da face anterior do trato gênito-urinário inferior.

Figura A – Em rosa, o que falta na extrofia vesical(1. parede abdominal 2. bexiga 3. ureter 4. uretra) Figura B – Conseqüência desta aplasia – a parede vesical posterior está exposta e a uretra também.

A incidência desta anomalia é maior do que as outras; porém ainda é muito rara variando de 1:10.000 a 1:50.000 nascidos vivos, sendo mais freqüente em homens (3:1).

Em geral vem associada a refluxo vesico-ureteral bilateral, hérnia inguinal bilateral, ectopias testiculares, anteriorização anal, anomalias útero-vaginais, dos pequenos e grandes lábios e clitoridianas. Nos homens associa-se a encurtamento, rotação axial e curvatura dorsal do pênis.

Apesar de existir uma tendência mundial do reparo em tempo único, a correção em estágios é mais utilizada. Inicialmente fecha-se a bexiga no período neonatal transformando-se a extrofia em epispádia.

Num segundo momento faz-se a reconstrução do colo vesical, correção do refluxo, hérnias e ectopias testiculares e finalmente, num terceiro tempo a genitoplastia. Não raramente necessita-se ampliar a bexiga e utilizar-se algum mecanismo de contenção urinária.

São raros os centros que possuem experiência no tratamento desta patologia. O Brasil tem na Clínica Urológica do Hospital das Clínicas, dois dos mais respeitados profissionais da área: o Professor Sami Arap e o Professor Amílcar Giron, que há décadas vem aperfeiçoando técnicas para o tratamento desta patologia.

Anomalias do Úraco

O úraco é uma estrutura embrionária que liga a bexiga ao cordão umbelical. Normalmente ele se ocluí até o final da gravidez. Raramente ele pode continuar aberto (3:1 milhão).

Sua persistência mantém uma fístula da bexiga para o umbigo, como observamos na figura abaixo.

Às vezes esta persistência é incompleta, levando a formação de cistos que
recebem diferentes nomes, dependendo do local onde eles localizem-se.

A = cisto do úraco B = sinus externo do úraco C = divertículo do úraco

...................................................................................................................... voltar

Rua Antonio de Godoy, 4473
Fone/Fax: 17 3519-3111
CEP: 15015-100
São José do Rio Preto - SP
E-mail: ued@terra.com.br
Urologia Eliseu Denadai © 2005 | Todos Direitos Reservados
Design e Desenvolvimento | MagicSite Internet Solutions